<$BlogRSDUrl$> /* ----------------------------------------------- Template Design Nome: Grande Chefe Designer: Guilherme ----------------------------------------------- */ Lembranças dos Guerreiros bgcolor="#FEEDDF">

2004/03/31

O que nos indigna! 



Tenho evitado comprar jornais, isto porque se os compro tenho de os ler quase de fio a pavio.
E na internet procuro sites que de preferência não divulguem ditos dos nossos políticos. Até tenho evitado ver os noticiários das TV's.

Agora digam lá se concordam ou não comigo. Limitações nos aumentos salariais, contenção nas despesas, e tantos assessores que, por acaso " alguns até ganham mais que o Dr Durão Barroso ", mas se repararem bem nos apelidos desses assessores, quase todos têm uma terminação conhecida.

Estou com vontade de emigrar... nem que seja para a Amareleja! Ou lá já têm televisão?

Se calhar este amargo de boca passa daqui a alguns meses. (Talvez me calhe um totoloto...)


| |  (0) das outras tribos

2004/03/30

Mozambique traduzido Moçambique 




Os microfones da secreta da tribo gravaram, este pequeno diálogo:
Durão: Amigo, Quim, nós estamos aqui para vos ajudar em todos os vossos problemas, inclusive, no caso das crianças desaparecidas!
Chissano: Quais crianças? Não temos nenhum problema, com crianças! Vocês têm, Zé?

Durão: primeiro ministro português
Chissano: Presidente moçambicano
Fernando Ladeira: Fotógrafo
Microfone: Segredo


Ler no Público, para ficarem a conhecer melhor o Quim... Os comentários, como habitualmente nem sempre são precisos, mas se quiserem não se façam rogados!


| |  (0) das outras tribos

2004/03/29

Preparando a Tribo... 




Aviso não é permitida a visualização deste blog se estiver a fumar!


Por forma a respeitar todos o credos, raças ... e vícios o chefe informa que passou a haver duas áreas neste blog uma para fumadores outra para não fumadores. Será que a Irlanda também vai ter uma baixa da taxa de natalidade, como tivemos de audiências?
Este post, só teve o intuito de alertar as consciências adormecidas. Cabemos todos neste mundo, basta olharmos para o lado e vermos sempre um reflexo nosso!


| |  (0) das outras tribos



Atchuimmm!!
Resquícios de uma noite fria, não podia perder o Lago dos Cisnes no Coliseu, interpretado pela Companhia do Teatro de Rostov. Valeu a pena, e mesmo que a capacidade técnica dos executantes não deslumbrasse, que não foi o caso, podia sempre fechar os olhos e ouvir Tchaikosvki, e fazer aquelas viagens a locais tão privados quanto os das nossas mentes. Se houve algo que me ajudou nestas ausências foram os cenários que segundo pude ler, foram criados para a estreia da peça, em Dezembro. O pano de fundo não é pintado, mas pedaços de tecido, de cores e materiais diferentes, foram cozidos numa espécie de "patchwork" que toma diferentes tonalidades consoante a incidência da luz, existindo 3 painéis de rede que fazem o efeito tridimensional. Viagem doce a um lago perdido.
Quanto aos executantes, tendo em conta a sua origem, russa, seria um puro e simples desperdício de palavras, só poderei dizer, não me desiludiram. Venham mais vezes!...

Só é pena os bilhetes serem tão caros. Ou será que nós é que estamos a ganhar pouco?
Atchimmmm! ... Obrigado!
Mas Abril está à porta com os seus cheiros (que agora não sinto), mas que visualizo com a ajuda de Eugénio de Andrade:

Brinca a manhã feliz e descuidada,
como só a manhã pode brincar,
nas curvas longas desta estrada
onde os ciganos passam a cantar.
Abril anda à solta nos pinhais
coroado de rosas e de cio,
e num salto brusco, sem deixar sinais,
rasga o céu azul num assobio.

Surge uma criança de olhos vegetais,
carregados de espanto e de alegria,
e atira pedras às curvas mais distantes
- onde a voz dos ciganos se perdia.

Abril


| |  (0) das outras tribos



Foram dificeis as negociações, mas consegui!
É verdade para ajudar à festa, e apesar das ofertas serem muitas, as verbas eram astronómicas, mas ... o prestígio da Tribo falou mais alto.
A partir de agora se me tratarem mal, chamo o meu irmão!
Bem vindo José!


| |  (0) das outras tribos

2004/03/28

Obrigado pelo convite 



Ter a possibilidade de estar num espaço destes, de desabafo, de criatividade, de partilha é algo que permite e obriga a uma reflexão pessoal. Que escrever, que dizer ?
A primeira tentação é desancar em alguém ou em algo, e diga-se em abono da verdade que razões não nos faltam. Também surge a tentação de falar de nós próprios e dos que nos são mais chegados.
Vou tentar aproveitar este convite para partilhar convosco ( os que tiverem a ousadia de espreitar ) um pouco do que for vivendo e sentindo.

Até breve.


| |  (0) das outras tribos

2004/03/26

Divertir é preciso 



Para quem não vai curtir um solzinho, aqui fica uma distração:
Olha lá quem fala
Eu a dar um conselho pedagógico?! É só escolher o idioma, ligar o som e clicar SAY IT.
Divirtam-se
O pobre aqui ainda tem muito que trabalhar.


| |  (0) das outras tribos



Bela manhã, ou não fosse 6ª feira, hoje o banho e o sumo da manhã, tiveram para além do som dos pássaros à minha janela a sonoridade de vozes como: Luís Represas, Sérgio Godinho, Pedro Abrunhosa, Madredeus, Rádio Macau.
Como o acordar com chilrear não posso partilhar, deixo rolar a vossa imaginação, quanto às vozes e imagens aqui fica um aroma do que ouvi.

P' la janela, mal fechada
Entra já a luz do dia
Morre a sombra, desejada
Numa esperança fugi um dia

o desejo pretende,
louvar a saudade,
a tua voz anda ausente,
e eu estar contigo é milagre

Abraçou-me
Como se abraça o tempo,
A vida num momento
Em gestos nunca iguais.
E parou,
Cantou contra o meu peito,
Num beijo imperfeito
Roubado nos umbrais.

Primeiro sem saber porquê
e depois com um quê
de quem já sabe de saber mudar
de quem já sabe de saber fazer
uma outra terra no mesmo lugar
um lugar feito para a gente viver
e mesmo que seja longo
mesmo que vá demorar

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

Uma Boa sexta-feira...



| |  (0) das outras tribos

2004/03/24

Presidente de Angola acusado...?!  



Surpresa no Publico. Não sei de que forma encarar esta primeira página.
Vou tentar acalmar a minha indignação...
Indignado, não, por ter sabido agora que, este Zé, é um ladrão, mas por esta história cheirar (e bem mal) a mais um episódio desta novela. Incontáves foram as vezes que estas acusações foram lançadas e apelos foram feitos perante uma comunidade internacional que se mantém surda, cega, muda, mesmo paraplégica.
Em Portugal, a filha deste Zé compra apartamentos de luxo, no Brasil, a esposa numas modestas férias repousantes gasta a módica quantia de 15000€ por semana, a mesma filha ou outra (não sei quantas tem e ainda bem, senão teria que relembrar a tabuada) numa festa de casamento nada sumptuosa gasta uma cifra anunciada nas revistas dedicadas a estes eventos, com tantos zeros, que me cuíbo, aqui de referir.
Ainda não me acalmei...
Falando do petróleo de Cabinda do qual corre à boca pequena (sim, porque bocas grandes só mesmo a do hipópotamo, segundo diz o crocodilo) o Zé recebe só $1 por barril extraído (tadinho), basta saber quantos barris Cabinda produz e ...
O que aborrece (expressão comedida) é eu "amanhã" saber, que este ... ainda vai ser recebido com pompa e circunstância por um nosso m...qualquer coisa, e não contente com o que anda a roubar a quem já nada tem, ainda vai comer à conta e receber uma condecoração ...
Não me consegui acalmar!...
Quando eu vir este Zé, acompanhado por outra individualidade, de qualquer parte do mundo, de uma coisa podem ter a certeza, vou me lembrar da minha mãezinha quando dizia "Diz-me com quem andas... Dir-te-ei quem és!"
Não me consegui acalmar... talvez porque não esqueço todos os pequenos pioneiros que morreram de arma na mão, manobrados por Zés, Agostinhos, Jonas, Holdens e outros que tais...


| |  (0) das outras tribos




"Desde criança tive a tendência para criar em meu torno um mundo fictício, de me cercar de amigos e conhecidos que nunca existiram. (Não sei, bem entendido, se realmente não existiram, ou se sou eu que não existo. Nestas coisas, como em todas, não devemos ser dogmáticos.) Desde que me conheço como sendo aquilo a que chamo eu, me lembro de precisar mentalmente, em figura, movimentos, carácter e história, várias figuras irreais que eram para mim tão visíveis e minhas como as coisas daquilo a que chamamos, porventura abusivamente, a vida-real. Esta tendência, que me vem desde que me lembro de ser um eu, tem me acompanhado sempre, mudando um pouco o tipo de música com que me encanta, mas não alterando nunca a sua maneira de encantar."

Bom dia Mundo!
Não resisti a entrar no espaço do Guilherme, e assistir a um amanhecer de Lisboa, relendo Fernando Pessoa in Carta a Casais Monteiro.


| |  (0) das outras tribos

2004/03/23

Pérolas do jornalismo 



"(...) O instrumento do artista ainda chegou a ser mexido por um grupo de carregadores, mas o bom senso imperou e os homens lá deixaram o objecto em paz.(...)"

in 24 horas,04/03/23, pg 7




| |  (0) das outras tribos

2004/03/22

Uma Palavra...Mil imagens 



Num sonho de Íris morto a oiro e brasa,
Vem-me lembranças doutro Tempo azul
Que me oscilava entre véus de tule -
Um tempo esguio e leve, um tempo-Asa.

Então os meus sentidos eram cores,
Nasciam num jardim as minhas ânsias,
Havia na minha alma Outras distâncias -
Distâncias que o segui-las era flores...

Caía Oiro se pensava Estrelas,
O luar batia sobre o meu alhear-me...
- Noites-lagoas, como éreis belas
Sob terraços-lis de recordar-me!...

Idade acorde de Inter-sonho e Lua,
Onde as horas corriam sempre jade,
Onde a neblina era uma saudade,
E a luz - anseios de Princesa nua...

Balaústres de som, arcos de Amar,
Pontes de brilho, ogivas de perfume...
Domínio inexprimível de Ópio e lume
Que nunca mais, em cor, hei-de habitar...

Tapetes de outras Pérsias mais Oriente...
Cortinados de Chinas mais marfim...
Áureos Templos de ritos de cetim...
Fontes correndo sombra, mansamente...

Zimbórios-panteões de nostalgias,
Catedrais de ser-Eu por sobre o mar...
Escadas de honra, escadas só, ao ar...
Novas Bizâncios-Alma, outras Turquias...

Lembranças fluidas... Cinza de brocado...
Irrealidade anil que em mim ondeia...
- Ao meu redor eu sou Rei exilado,
Vagabundo dum sonho de sereia...

Mário Sá Carneiro - Distante Melodia


| |  (0) das outras tribos



Ariel Sharon felicita as forças de segurança
israelitas pelo assassinato de Ahmed Yasín


Quem é quem?
De que lado ficar?
Eu só questiono, mas sinceramente, fico assustado quando aqueles que deviam ser lideres utilizam expressões, como "felicidade" quando se trata de assassinato de outro.


| |  (0) das outras tribos

2004/03/20

Iraque 1 ano depois... 



Será que sonhei, terei tido alucinações...
Afinal o Iraque nunca foi uma ameaça eminente para a estabilidade do mundo, sorte que de Roma me chegou este endereço. Aconselho uma visita, pelo menos ficamos com uma certeza, estamos mesmo numa aldeia global, político, é igual na América do Sul, na Europa, na Ásia ou nos USA, a única diferença existente é o lugar da fila que ocupavam quando Deus distribuiu a inteligência, a avaliação essa cabe-nos a nós comuns mortais que sobrevivemos nestas democracias.
MoveOn"
No terror state poses a greater or more immediate threat to the security of our people and the stability of the world than the regime of Saddam Hussein in Iraque" Donald Rumsfeld disse em 18/09/2002, Mr. vice-president, vai um upgradezinho de memória!
Grazie Paolo!


| |  (0) das outras tribos

2004/03/19

Ainda o Dia do Pai 



Perdoem-me a intimidade colocada no post anterior, mas foi um desejo incontido, sei que o vou reformular, mas por agora fica como está!

Vamos ouvir um somzinho...



Would you know my name
If I saw you in heaven?
Would it be the same
If I saw you in heaven?

I must be strong
And carry on,
'Cause I know I don't belong
Here in heaven.
...


| |  (0) das outras tribos



Queridos filhos

As dores físicas não são as maiores!
Quem as provoca, por Amor, sofre mais!
Quem perdoa é mais forte, se for sem rancores
E sem recalcamentos incondicionais.

Essas feridas que tendes no peito, duras
Se as considerarem à luz do Amor
Verão nelas, não o opróbrio, mas ternuras
Não umas nódoas: mas uma bela flor.

E se nestes breves momentos da vida,
Não souberem colhe-la... é uma pena!
Deixarão rasgar a tênue teia tecida.

Pela humana condição que nos acena
Frágil, quebradiça e até pervertida
A pontos de uma acção irreflectida.

H.F.
Olá Pai,
Passei a última hora a viajar aí por esta nova comunidade, e vi que na maior parte dos Blogs havia uma dedicatória ao pai, todos eles com a quase certeza que o destinatário não a ia ler. Eu, então tenho a certeza que tu a vais ler e a vais sentir. Porque sinto tuas mãos nos meus ombros, apoiando-me nas quando celebro, o teu abraço quando escorrego, o teu olhar quando me perco e o mais importante a tua palavra em todas as ocasiões.
Estás a estranhar o silêncio? É tirei este bocadinho fugi de tudo, para te imitar, substitui a tua fiel máquina de escrever pelo meu fiel portátil, um pouco mais infiel que a tua máquina mas isso são outras histórias, e enquanto a família viaja na ilusão de uma qualquer novela, eu sento-me em frente do monitor e invejo a velocidade com que te via teclar, sem backspace, ouço o matraquear das teclas, o teu sorriso matreiro, enquanto num repente os olhos paravam, a fitar longe, parecendo observar quadro da última ceia por cima da mesa, para depois o matraquear continuar. Depois, depois vinha a melhor parte, queres ouvir dizias tu e recitavas um poema ou uma prosa quentinha saidinha do forno, acabando sempre com "ainda tenho de dar aqui um jeitinho, há qualquer coisa que não me está a soar bem"...
O que tu ias adorar esta coisa da democratização da internet a chance dada a quase qualquer mortal ligar um brinquedo destes a uma linha telefónica, criar uma folha de papel num espaço mágico onde se pode descarregar tudo, ter o sonho de que aquilo que escrevemos está ao dispor do mundo. Ai, como tu ias gritar então, os teus desejos de um mundo melhor, a teu sempre jovem e irreverente discurso, a tua meiguice, a tua profunda crença em que a natureza do Homem é boa. Uma certeza tenho, o teu blog seria um dos mais visitados, eu iria ser alvo da inveja da blogesfera, como é que alguém pode ser tão sortudo na vida e ter um pai assim como tu.
Pai lá em cima daquela estrela que me deste a conhecer naquela noite, se me vires chorar ralha-me porque é puro egoísmo, sei que o céu brilha mais, eu estou mais protegido, tu estás rodeado da mais bela luz e agora podes influenciar quem realmente pode dar a PAZ pela qual tanto lutaste.
Um beijo para o melhor Pai do mundo e obrigado pela tua constante presença, o meu desejo mais profundo é que sintas, valeu pena ter sido Pai.

Obrigado Pai!



| |  (0) das outras tribos

2004/03/18

Chorar de barriga cheia... 





Dos arquivos do Banco Central do Brasil, vem a seguinte informação:
Rendimento médio real de um brasileiro trabalhador caiu de R$ 1.140,43, em Dezembro de 2002, para R$ 1.027,18, em Dezembro de 2003, permanecendo ainda inferior ao que era em janeiro de 2002, R$ 1.057,04. São 13,78% a menos nos bolsos em 12 meses.
Só que brasileiros com “carteira de trabalho” assinada têm, em média, um rendimento de R$ 1.152,90 (perderam 9,25% em 12 meses), enquanto os que não a têm, ganham apenas R$ 620,38 (perderam 8,30%), e os autónomos, R$ 712,49 (perderam 21,20%).
O rendimento médio entre os empregados do sector público fica em R$ 1.612,84 (queda de 9,52% em 12 meses), e entre os empregados do sector privado é de R$1.010,99 (8,71% de perda).
Se levarmos em consideração a gigantesca desigualdade na distribuição do rendimento e a absoluta desigualdade na remuneração dos profissionais por região e por segmento na indústria, todas estas médias perdem representação para uma realidade em que há população a sustentar os seus filhos e pais com um salário de apenas 12 reais por mês, enquanto outros pagam R$ 150.000 por uma caneta Mont Blanc.

Chegou-me esta informação via mail, a proximidade desta realidade com a de alguns países da Europa é cada vez maior, a análise e os comentários ficam por conta de quem lê.
Os valores apresentados são em Reais, para quem quiser converter em euros ou dolares divida por 3 e acha mais cêntimo menos cêntimo o valor aproximado.
Euro X Real – compra - R$3,6207 - venda - R$3,6246 Hora 14:45 Dia 18/03.
Ex.: R$ 1.612,84=445,54€ ; R$12 = 3,31€


| |  (0) das outras tribos





Até o mais agressivo dos guerreiros não pode deixar de dispensar um espaço para a boa música, se ainda não notaram ali ao lado na barrinha do lado esquerdo nas outras tribos existe um link para visitarem os Dwelling.
Lançaram mais um CD de nome "Humana", como não sou critico musical não vou entrar avaliações de estilo e qualidade, mas o que posso dizer é que ouvi e gostei.
Se não gostarem ... problema vosso, mas nada como experimentarem.


| |  (0) das outras tribos

2004/03/16

Entardece... 





E repouso os olhos nos versos de Walt Whitman

Do inquieto oceano da multidão
veio a mim uma gota gentilmente
suspirando:

- Eu te amo, há longo tempo
fiz uma extensa caminhada apenas
para te olhar, tocar-te,
pois não podia morrer
sem te olhar uma vez antes,
com o meu temor de perder-te depois.

- Agora nos encontramos e olhamos,
estamos salvos,
retorne em paz ao oceano, meu amor,
também sou parte do oceano, meu amor,
não estamos assim tão separados,
olhe a imensa curvatura,
a coesão de tudo tão perfeito!
Quanto a mim e a você,
separa-nos o mar irresistível
levando-nos algum tempo afastados,
embora não possa afastar-nos sempre:
não fique impaciente - um breve espaço –
e fique certa de que eu saúdo o ar,
a terra e o oceano,
todos os dias ao pôr-do-sol
por sua amada causa, meu amor.

trad.:Geir Campos
Breve: Walt Whitman, 1819 - 1892, trabalhou como impressor, jornalista e editor, antes de publicar o seu primeiro livro de poesia, Leaves of Grass.

Versos irregulares e a técnica de listagem, «cataloguing technique», assim como a sua crença de que a poesia deveria focar os sentimentos mais baixos e o profano, faz com que alguns o chamem de primeiro verdadeiro poeta americano...



| |  (0) das outras tribos

2004/03/15

Por falar em Democracia 



Sou democrata na medida em que amo o livre sol nos homens
e aristocrata na medida em que detesto as possessivas tacanhas criaturas.

Amo o sol em qualquer,
quando o vejo na fronte,
claro, sem temor, ainda que frágil.

Mas, quando vejo os pardos homens prósperos,
hórridos e cadavéricos, inteiramente sem sol,
como obscenos escravos prósperos saracoteando-se mecanicamente,
então sou mais que radical, desejo a guilhotina.

E quando vejo os que trabalham,
pálidos e vis como insectos, às corridas
e como piolhos vivendo, com dinheiro contado
e sem nunca erguer os olhos,
então, como Tibério, desejo que a multidão tivera uma cabeça
para decepá-la de um só golpe.

Eu penso que, quando as gentes perderam totalmente o sol,
não têm direito de existir.
D. H. Lawrence


| |  (0) das outras tribos

2004/03/14

Ainda Espanha 



No rescaldo da violência, o povo escolheu.
A revolta de quem se sentiu manipulado, por quem julga que governar é tudo poder, decidiu.
As manifestações nocturnas mostraram um povo que se conhece e sabe quando deve gritar que as leis foram feitas para eles e não o contrário.
Sem querer fazer qualquer juízo de valor quanto à escolha...
Parabéns Espanha!
Uma obrigação de todos os que vivem em democracia, era aprenderem algo com a lição que veio do maior país da península.
Cabe-nos a nós e só a nós, enquanto povo, decidir!
Asta siempre Félipe (private joke)


| |  (0) das outras tribos

2004/03/12

E por falar em Madrid! 



Se este for, apesar de tudo e ainda, um dos seus hipotéticos destinos de viagem, Leo Bassi, pode ser o guia ideal para visitar aquele lado não disponível nos roteiros turísticos.
"A função dos palhaços e dos cómicos em geral é estarem contra o poder. E eu vou estar sempre contra o poder", diz Bassi, nasceu nos EUA, é filho de artistas de circo italianos e já viveu em quase todo o mundo.
Há oito anos em Espanha, faz das ruas de Madrid o seu palco , ao estilo combativo de Michael Moore


Da ignorância sem escrúpulos baseada em crenças e ideologias nasce uma dor sem fim. Às famílias atingidas pela bestas de ontem, (Al-Qaeda ou ETA o nome não interessa) a solidariedade de quem nunca se cansará de dizer NÃO À VIOLÊNCIA!


| |  (0) das outras tribos

2004/03/11

HOJE ... MAIS UM DIA 11 



Qualquer comentário, hoje... será vazio!
Espanha em dor!


Heaven on Earth
We need it now
I'm sick of all of this
Hanging around
Sick of sorrow
Sick of pain
Sick of hearing again and again
That there's gonna be
Peace on Earth

Where I grew up
There weren't many trees
Where there was we'd tear them down
And use them on our enemies
They say that what you mock
Will surely overtake you
And you become a monster
So the monster will not break you

It's already gone too far
Who said that if you go in hard
You won't get hurt

Jesus could you take the time
To throw a drowning man a line
Peace on Earth
Tell the ones who hear no sound
Whose sons are living in the ground
Peace on Earth
No whos or whys
No-one cries like a mother cries
For peace on Earth
She never got to say goodbye
To see the colour in his eyes
Now he's in the dirt
Peace on Earth

They're reading names out over the radio
All the folks the rest of us won't get to know
Sean and Julia, Gareth, Ann and Breda
Their lives are bigger, than any big idea

Jesus can you take the time
To throw a drowning man a line
Peace on Earth
To tell the ones who hear no sound
Whose sons are living in the ground
Peace on Earth

Jesus this song you wrote
The words are sticking in my throat
Peace on Earth
Hear it every Christmas time
But hope and history won't rhyme
So what's it worth?
This peace on Earth

Peace on Earth
Peace on Earth
Peace on Earth

U2 - Peace On Earth


| |  (0) das outras tribos

2004/03/08

MULHER 



Para não lembrar já que não me é permitido esquecer... Hoje Dia Internacional da Mulher!

Supremo Enleio

Quanta mulher no teu passado
Tanta sombra em redor! Mas que me importa?
Se delas veio o sonho que conforta,
A sua vinda foi três vezes santa!

Erva do chão que a mão de Deus levanta,
Folhas murchas de rojo à tua porta…
Quando eu for uma pobre coisa morta,
Quanta mulher ainda! Quanta! Quanta!

Mas eu sou a manhã: apago estrelas!
Hás-de ver-me, beijar-me em todas elas,
Mesmo na boca da que for mais linda!

E quando a derradeira, enfim, vier,
Nesse corpo vibrante de mulher
Será o meu que hás-de encontrar ainda….

Florbela Espanca


| |  (0) das outras tribos

2004/03/06

Uma semana de silêncio 



Algo se parte na alma quando se vai um amigo…
De repente um som, interrompeu o ar, uma voz alterou-me a forma de caminhar. A mensagem transmitida fez-me vacilar. Seria uma partida do inconsciente sonho?... Não! A verdade é que o Chico tinha partido mesmo. O olhar da noite anterior, deveria tê-lo reconhecido não, como um até manhã, mas como um até sempre! A doença tinha vencido toda a nossa entrega, todo o nosso carinho, todo o nosso Amor.
O cansaço duma luta desigual que já o tinha transformado, em prisioneiro do seu próprio corpo, tinha-o feito parar de lutar…
As tuas palavras, nunca as esquecerei, guardo-as bem fundo, a força com que me sustiveram quando pensava não haver forma de apoio tornaram-nas num tesouro de valor incalculável.
As lágrimas que deixei cair, foram de puro egoísmo, a dependência que tinhas por mim em relação à tua mobilidade, em mim é tornou-se bem mais profunda, faz-me falta o teu olhar, o teu toque, mas mais de tudo a tua orientação. Como pai de quem eu amo, cedeste-me um pouco de espaço no que tinhas de mais precioso, o mundo daquela cuidaste, criaste, amaste e sei que estejas onde estiveres continuarás a Amar.
O sentimento é algo que se conquista e para a eternidade fica esta AMIZADE.
Obrigadão, "Ti Chico"! Até sempre!...
Desculpa, mas é-me difícil segurar estas gotas salgadas, que vêm da alma, mas sabes algo se partiu...


| |  (0) das outras tribos




« As Tribos »

A Inzibidinha (reborn)
Abrupto
Afrodite
Avatares Desejo
Bosque da Robina
Caderno da Corda
Cinco Dias
Canto do Melro
E-konoklasta
Estado Civil
Finúrias e Teixirinha
Geração Rasca
Hammer
História d'uma vida
Hoje há conquilhas
Introvertido
Just Music and Words
Lembranças
Macroscopio
Mafia da Cova
Malhas
O Jumento
Observador
Ondas
Outsider
Peciscas
A Quinta
Rui Tavares
Prof.Teresa
Violino Meu



« As Tribos Perdidas»

Barnabé
Enigmódromo
Estaleiro
Farol das Artes
Hepatite C
Lisboa em Fotos
Mal o Menos
Psicólogo Neurótico
Teacher
Titas
Tugir
O Velho de Alfama


« Rede Boa »

Google
Dwelling
Instituto Camões
José Luís Peixoto
MuseusPT
Arqueologia
Sanzalangola


« Ecos anteriores »


Fevereiro 2004Março 2004Abril 2004Maio 2004Junho 2004Julho 2004Agosto 2004Setembro 2004Outubro 2004Novembro 2004Dezembro 2004Janeiro 2005Fevereiro 2005Março 2005Abril 2005Maio 2005Junho 2005Julho 2005Agosto 2005Setembro 2005Outubro 2005Novembro 2005Dezembro 2005Janeiro 2006Fevereiro 2006Março 2006Abril 2006Maio 2006Junho 2006Julho 2006Agosto 2006Setembro 2006Outubro 2006Novembro 2006Dezembro 2006Janeiro 2007Fevereiro 2007Março 2007Abril 2007Maio 2007Junho 2007Julho 2007Setembro 2007Outubro 2007Novembro 2007Dezembro 2007Janeiro 2008Fevereiro 2008Março 2008Abril 2008Maio 2008Junho 2008Agosto 2008Setembro 2008Outubro 2008Novembro 2008Dezembro 2008Janeiro 2009Março 2009Maio 2009Julho 2009Agosto 2009Setembro 2009Outubro 2009Dezembro 2009Março 2010Junho 2011Junho 2012





« Correio »

o.grande.chefe@gmail.com
« Reservas »

This page is powered by Blogger. Isn't yours?
Add to Technorati Favorites