<$BlogRSDUrl$> /* ----------------------------------------------- Template Design Nome: Grande Chefe Designer: Guilherme ----------------------------------------------- */ Lembranças dos Guerreiros bgcolor="#FEEDDF">

2006/12/23

Feliz Natal! 



Ho! Ho! Ho!

A todos um feliz Natal. Que o Pai Natal seja o mais generoso que for possível, dada a conjectura económica actual!...

Que o Novo Ano traga Saúde, Amor e Paz!


| |  (2) das outras tribos

2006/12/22



Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo...
(Fernando Pessoa?)





! FELIZ NATAL !

Vou ali descansar um bocadinho ... pr'a semana tenho de ajudar a construir o uma mão cheia de castelos!...

O teu também claro!



| |  (0) das outras tribos

2006/12/20

Eu estou... 



Cansado de ver o nosso ensino vitíma de experiências avulsas, subscrevi a petição «Contra a implementação da experiência pedagógica TLEBS - Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário» aqui.


| |  (0) das outras tribos

2006/12/19

Um presente do tamanho do mundo... 



Antes que me esqueça, apesar de não achar possível dada a quantidade de mensagens que vão inundando os servidores, com os desejos com mais ou menos Megas de festas felizes, quero que tenhas um Natal cheio de sorrisos de criança, e que a mesma esperança trazida nos olhos dos meninos da minha terra, te encha o 2007 da mesma luz que os faz sorrir.
Foto: Eduardo Baião
Embrulhadinho, qual DHL ao serviço do Menino Jesus, deixo-te este poema, de um coração nascido lá no Lubango, directamente da minha terra para o teu sapatinho.

Não conheço nada do país do meu amado

Não conheço nada do país do meu amado
Não sei se chove, nem sinto o cheiro das laranjas.
Abri-lhe as portas do meu país sem perguntar nada
Não sei que tempo era
O meu coração é grande e tinha pressa
Não lhe falei do país, das colheitas, nem da seca
Deixei que ele bebesse do meu país o vinho o mel a carícia
Povoei-lhe os sonhos de asas, plantas e desejo
O meu amado não me disse nada do seu país
Deve ser um estranho país
o país do meu amado
pois não conheço ninguém que não saiba
a hora da colheita
o canto dos pássaros
o sabor da sua terra de manhã cedo
Nada me disse o meu amado
Chegou
Mora no meu país não sei por quanto tempo
É estranho que se sinta bem
e parta.
Volta com um cheiro de país diferente
Volta com os passos de quem não conhece a pressa.
Ana Paula Ribeiro Tavares


| |  (0) das outras tribos

2006/12/18

Presentes de Natal... 



Por mais que larguem os braços
Por mais que soltem amarras
E que se tapem as covas

Por mais que rasguem os quadros
Por mais que queimem as leis
E que os costumes esmoreçam

Por mais que arrasem as feras
E que os papões arrefeçam
E que as bruxas se convertam

Por mais que riam as caras
E que ternura se esqueça
Por mais que o amor prevaleça
Vocês
Fizeram os dias assim!



Não nos venham pedir contas
Não venham pôr-nos regras
Sabemos que os nossos dias
Não vão ser gastos assim!

Luís Represas


| |  (0) das outras tribos




Jorge Vasconcelos saiu da presidência da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), mas não vai de mãos a abanar, escreve o Correio da Manhã, na sua edição de hoje. Segundo o CM, o ex-presidente da ERSE vai receber cerca de 12 mil euros por mês, durante o máximo de dois anos, até encontrar um novo emprego.
Jorge Vasconcelos anunciou a sua demissão esta semana, em conflito com a decisão do Governo de limitar a seis por cento os aumentos da energia para os consumidores domésticos em 2007.
Segundo apurou o Correio da Manhã, o salário do presidente da ERSE era de 18 mil euros mensais (vezes 14), a que acresciam ajudas de custo. Segundo o que estabelecem os estatutos do próprio regulador, no seu artigo 29, n.º 5, «após o termo das suas funções, os membros do conselho de administração ficam impedidos, pelo período de dois anos, de desempenhar qualquer função ou prestar qualquer serviço às empresas dos sectores regulados». Trata-se de um compreensível «período de nojo», que impede a existência de promiscuidades entre reguladores e regulados.
Já o artigo 29, n.º 6, determina que durante dois anos, «a ERSE continuará a abonar os ex-membros do conselho de administração em dois terços da remuneração correspondente ao cargo, cessando esse abono a partir do momento em que estes sejam contratados ou nomeados para o desempenho, remunerado, de qualquer função ou serviço público ou privado».
Isto significa que Jorge Vasconcelos passará a receber 12 mil euros por mês, durante dois anos, até conseguir arranjar outro emprego no sector público ou privado.
Questionado o Ministério da Economia, uma fonte oficial adiantou que o regime aplicado aos membros do conselho de administração da ERSE foi aprovado pela própria entidade que, com o estatuto de regulador é independente.
Independente?!...
Propõe-se a todos os que desempenham funções em cargos de serviço público, nos hospitais, nas escolas, nas câmaras, nos tribunais, etc, sem esquecer os serviços de finanças, que se demitam de imediato, garantindo as remunerações por 2 anos.
E sem receios, porque sabem que as admissões estão garantidas, já que a experiência detida nas funções será sempre fundamento de readmissão. E se tal não for bastante, a filiação num dos P's de certeza não os deixará ficar sem emprego!
Presente de Natal para o Jorge, desabafo para mim!


| |  (1) das outras tribos

2006/12/17

Desabafo. 



Desabafo

Já fui muito feliz...

É verdade. Já fui muito feliz na minha profissão!

Completei 26 (vinte e seis) anos de serviço docente.

Neste espaço de tempo, passei por um estágio profissional de dois anos na Escola Superior de Educação de Santarém. Foi uma experiência desgastante mas compensadora, que permitiu melhorar a minha prática lectiva.

Nos primeiros anos de ensino, fazia parte do grupo de pessoas que passavam fins-de-semana em comboios e autocarros que demoravam horas de viagem, para nos deslocarmos de casa para a Escola e vice-versa. Ganhávamos mal, ficávamos distantes da família, trabalhávamos mais de 40 horas semanais, como hoje em dia, mas gostava imenso do que fazia.

Não sei se sabem, mas os professores não trabalham apenas as horas em que estão na sala de aula.

É necessário uma constante e cuidada actualização pois, hoje em dia, os avanços científicos, as descobertas, os conhecimentos em geral, evoluem de tal forma, que é imperativo não descurar toda a informação que se conseguir obter;

As aulas têm que ser preparadas e, devido á necessidade de actualização referida, essa preparação tem que ser, no mínimo, semanal;

As fichas de avaliação têm que ser elaboradas e corrigidas;

Cada aluno é diferente, o que exige que cada docente conheça minimamente cada um dos jovens que frequenta a sua disciplina [a turma com menor número de alunos que lecciono, é composta por 26 (vinte e seis) adolescentes]!...

Senhora Ministra: quantas horas semanais julga serem necessárias para que cada professor faça um trabalho competente, criativo, crítico, versátil e com sucesso?

Eu já contabilizei as horas de trabalho fora da sala de aula e totalizaram 30 (trinta). O que quer dizer um total de 50 (cinquenta) horas por semana, quando o meu horário lectivo era de 20 horas semanais! Mas, aqueles que leccionam o Ensino Básico, tinham 25 horas lectivas. Se usarem o mesmo tempo que eu no trabalho necessário para as suas aulas, ficavam com uma carga de 55 horas semanais.

Ontem e hoje, estive a reparar nos rostos dos profissionais da minha Escola. Sabe o que é que se notava mais? Olhos encovados, cansaço e ... um sorriso sempre que falavam com os seus alunos, tentando não deixar transparecer a desilusão e a falta de descanso, pois é por eles que a maior parte de nós decidiu optar pela profissão docente.

No entanto, não convém esquecer que somos humanos e, por isso mesmo, temos necessidades básicas fundamentais para o nosso equilíbrio físico e mental:

dormir, comer, estar com a família, para não falar do direito ao respeito.

E a questão actual é precisamente o respeito por aqueles que preparam os futuros Engenheiros, Médicos, Professores, Políticos, Advogados ... ou seja, por aqueles que se esforçam por transmitir conhecimentos úteis aos jovens de hoje, adultos de amanhã (passe o chavão).

«O grau de civilização de uma Nação transparece na forma como os seus governantes valorizam o sistema educativo e de saúde!»

Perdoem-me o desabafo, mas tinha necessidade de o fazer.

Desejando um Santo Natal e um Novo Ano mais sereno, despeço-me.




| |  (1) das outras tribos

2006/12/11

Santiago, sinais do fim 



A assumpção dos crimes, foi o acolhimento da morte.
Ficamos atentos aos discursos de Havana.
Quem sabe?!...


| |  (0) das outras tribos



Ota... rio ...


Ainda dizem que não se aprende nada na blogoesfera, pois vos digo, foi através do Ondas (de onde retirei a foto) que finalmente, descorri sobre a necessidade urgente de um novo aeroporto em Lisboa. Como se vislumbra invernos chuvosos, há que precaver e nada melhor do que, termos sempre à mão uma pista a mais...
... para hidroaviões!

E ainda dizem que não fazemos nada a pensar no futuro!...


| |  (1) das outras tribos

2006/12/08

Homem. 



Este senhor tem 93 anos, é médico e, todos os anos vai a Angola, País onde nasceu, viveu e exerceu, a fim de dar o seu contributo médico.
Considero que merece uma homenagem especial, não só pela disponibilidade que sempre mostrou, no tratamento dos seus doentes, como pela resistência e determinação.
Dr. Fernandes, conhecido por todos como o «Dr. Farrica», alcunha que, segundo contava o meu Pai, já era de família.

Estava a pensar em António Gedeão e no centenário do seu nascimento que ocorreu há poucos dias e pensei que era uma personagem interessante para exemplificar um poema do prof. Rómulo de Carvalho, do qual gosto muito e que quero partilhar convosco:

Homem

Inútil definir este animal aflito.
Nem palavras,
nem cinzéis,
nem acordes,
nem pincéis
são gargantas deste grito.
Universo em expansão.
Pincelada de zarcão
desde mais infinito a menos infinito.

António Gedeão, 1956.


| |  (3) das outras tribos

2006/12/07

TLEBS 



(...)Mas escutemos vozes insuspeitas de tribunos da TLEBS.

O presidente da Associação de Professores de Português, Feytor Pinto, confessa que "a APP não sabe ainda se esta terminologia é a terminologia de que o sistema educativo tem necessidade" (JL/Educação, 22.11.2006).

Não sabe? Isto basta para justificar a suspensão imediata da TLEBS e para considerar um grotesco contra-senso a preparação de manuais que a tomem como referência.

O presidente da Associação Portuguesa de Linguistas, João Costa, fala de resultados que já estão à vista: "Infelizmente, a TLEBS foi 'despejada' sem critério nalguns dos novos manuais, mas estes não são os documentos de referência para o professor" (Público, 15.11.2006).

Só por puro jesuitismo poderá entender-se que um manual seja referência apenas para os alunos. E será normal ter-se de lhes explicar que tanto o autor do livro como o professor que o manda utilizar não passam de ineptos?

Se antes havia problemas, agora vai haver muitos mais. Quod erat demonstrandum.

O ministério não pode forçar os professores de português a uma "licenciatura" em Linguística feita a martelo. E muito menos pode tratar os alunos como cobaias descartáveis. É a sua preparação para a vida que está em jogo.
(...)
Excerto do artigo de opinião de Vasco Graça Moura, no DN, o resto podes ler aqui, não resisto a colar este final delicioso:
(...)E mostra que eles, tão preocupados com a semântica das frases, afinal ainda não perceberam do que se está a falar.
Pois queiram registar, de uma vez por todas, que é dos ensinos básico e secundário! E que, para recorrer a tempos verbais que ela suprime, a TLEBS tem um pretérito de palavrosa confusão teórica, um presente de escandalosa deficiência pedagógica e um futuro que só pode ser um lindo enterro. (...)
Enterro, flores, caixão, papelada, despesa e uma mão cheia de tempo perdido. Nada a que já não nos tenhamos habituado. Neste nosso fado!

É meu e vosso este fado
Destino que nos amarra
Por mais que seja negado
Às cordas de uma guitarra

Ó gente da minha terra
Agora é que eu percebi
Esta tristeza que trago
Foi de vós que a recebi

Amália Rodrigues



| |  (0) das outras tribos

2006/12/05

Os Melhores de 2006 






O Geração Rasca tomou a iniciativa, o Pedro Farinha deu-ma a conhecer e não resisti e cá estão as minhas nomeações, que após a publicação deste post serão enviadas por mail para o "júri".
E os vencedores são:

- Melhor Blog Individual Feminino Afrodite - , - Titas - , - Lembranças - , - O Bosque da Robina - , - Teacher - , - Outsider .
- Melhor Blog Individual Masculino Avatares de Desejo - , - Observador - , Intro.vertido - , - Peciscas - , - O Jumento - , O Caderno da Corda ;
- Melhor Blog Colectivo O Farol das Artes - , - Tugir - , - Hepatite C - , - Bazonga da kilumba - , - Cinco Dias - ;
- Melhor Blog Temático - Ondas - ,- Lisbon Photos - ;
- Melhor Blog - Avatares de Desejo - , - O Farol das Artes , - O Abrupto - , Estado Civil -, - Cinco Dias - ;
- Melhor Blogger Rui Tavares- , Pedro Farinha - , - Bruno Sena Martins - , - Pedro Mexia - ;
Nenhum dos nomeados o é, por mera simpatia, mas por os considerar de qualidade acima da média, por me fazerem sorrir, refletir, enfim, por os recomendar de leitura imprescindível.


| |  (9) das outras tribos




« As Tribos »

A Inzibidinha (reborn)
Abrupto
Afrodite
Avatares Desejo
Bosque da Robina
Caderno da Corda
Cinco Dias
Canto do Melro
E-konoklasta
Estado Civil
Finúrias e Teixirinha
Geração Rasca
Hammer
História d'uma vida
Hoje há conquilhas
Introvertido
Just Music and Words
Lembranças
Macroscopio
Mafia da Cova
Malhas
O Jumento
Observador
Ondas
Outsider
Peciscas
A Quinta
Rui Tavares
Prof.Teresa
Violino Meu



« As Tribos Perdidas»

Barnabé
Enigmódromo
Estaleiro
Farol das Artes
Hepatite C
Lisboa em Fotos
Mal o Menos
Psicólogo Neurótico
Teacher
Titas
Tugir
O Velho de Alfama


« Rede Boa »

Google
Dwelling
Instituto Camões
José Luís Peixoto
MuseusPT
Arqueologia
Sanzalangola


« Ecos anteriores »


Fevereiro 2004Março 2004Abril 2004Maio 2004Junho 2004Julho 2004Agosto 2004Setembro 2004Outubro 2004Novembro 2004Dezembro 2004Janeiro 2005Fevereiro 2005Março 2005Abril 2005Maio 2005Junho 2005Julho 2005Agosto 2005Setembro 2005Outubro 2005Novembro 2005Dezembro 2005Janeiro 2006Fevereiro 2006Março 2006Abril 2006Maio 2006Junho 2006Julho 2006Agosto 2006Setembro 2006Outubro 2006Novembro 2006Dezembro 2006Janeiro 2007Fevereiro 2007Março 2007Abril 2007Maio 2007Junho 2007Julho 2007Setembro 2007Outubro 2007Novembro 2007Dezembro 2007Janeiro 2008Fevereiro 2008Março 2008Abril 2008Maio 2008Junho 2008Agosto 2008Setembro 2008Outubro 2008Novembro 2008Dezembro 2008Janeiro 2009Março 2009Maio 2009Julho 2009Agosto 2009Setembro 2009Outubro 2009Dezembro 2009Março 2010Junho 2011Junho 2012





« Correio »

o.grande.chefe@gmail.com
« Reservas »

This page is powered by Blogger. Isn't yours?
Add to Technorati Favorites