<$BlogRSDUrl$> /* ----------------------------------------------- Template Design Nome: Grande Chefe Designer: Guilherme ----------------------------------------------- */ Lembranças dos Guerreiros bgcolor="#FEEDDF">

2005/09/20

Mentirosos, mentirosos, mentirosos ... 



Assim foi recebido o nosso Primeiro-Ministro, Eng José Socrates, acompanhado da Sra Ministra da Educação e provavelmente de mais alguns membros do governo, pelos Professores da Escola que estava a ser visitada em início de aulas e como forma de protesto.

Retorquiu o Sr Eng que num País democrático todos eram livres de se manifestar, mas que não precisavam de ser mal educados.

Pois Sr Eng, mas também é muito feio mentir a um Povo inteiro, dizendo que os medicamentos vão ficar 6% mais baratos e constatarmos que até os genéricos vão ser menos comparticipados, dizendo que todas as escolas do ensino básico vão ter prolongamento de horário, e constatarmos que afinal tal não é possível para todos os dias, mas na maioria dos casos apenas para 3 dias por semana... Sr 1º Ministro, respeito é algo muito importante!

Até à próxima.


| |  (0) das outras tribos



É obrigação de mano velho não deixar que o "caçula" (termo angolano para mano mais novo) se perca ou vá por maus caminhos. Por isso nesta saída do percurso habitual, tratei de averiguar se tudo estava bem encaminhado, e nada como recorrer à cunhada que de imediato assegurou a boa perspectiva para estes dias.

Espero que não apanhem mais dias de chuva como no Domingo, e regressem cheios de energia para que possamos contar com as inspiradas intervenções neste local publicadas.

Procurarei encontrar alguns momentos para manter vivo este espaço.

Até um dia destes.


| |  (0) das outras tribos

2005/09/15

Té já... 



A carga pronta metida nos contentores
Adeus aos meus amores que me vou ...
de férias!...
Se o Grande Irmão quiser dia 30 estarei de volta dos reinos Romanos e Austro-Húngaros...
Avião sem asa
Fogueira sem brasa
Sou eu assim sem você
s
Futebol sem bola
Piu Piu sem Frajola
Sou eu assim sem você
s...
De resto acreditem vou tentar divertir-me!
Beijões para ti e abrações para ti!


| |  (0) das outras tribos

2005/09/09

Pedido de desculpa 



Rogério Guimarães, cidadão eleitor nº 6823, da unidade geográfica de recenseamento de Cladas da Rainha, vem por este meio pedir desculpas a todos os democratas por ter contribuído com o seu voto para a eleição deste Governo.

Publicado hoje no Jornal Público, pág. 58

A responsabilidade deste espaço é do interveniente... (o dito Rogério, claro.)

Bom fim-de-semana!


| |  (0) das outras tribos



Pobre Lisboa onde...
- Os 2 mais fracos candidatos de sempre, são os mais bem colocados para a ganharem!
- As escolhas do PS passam pelo Soares errado para a presidência errada!


| |  (0) das outras tribos

2005/09/05

Parabéns Teacher!... 




3 anos, é obra....
Apesar de atrasado, não podia deixar de estar presente!
Renovamos o contrato por mais 3 anos!... Mesmo se houver um aumento de salário


| |  (0) das outras tribos

2005/09/02

A ler... 



Não sei se ainda te lembras dele, o rapaz das orelhas à Mickey Mouse que falava com a língua de fora, naquele programa da tv "Noites da má ... o daqueles livros que tenho lá na estante do escritório, "A causa das coisas", "As Minhas Aventuras na República Portuguesa" e "O Amor é Fodido", já sabes qual é, então delicia-te com mais estes excelente texto, publicado no "Expresso" perdido num correio electrónico a abarrotar.
"Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro.
Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo. O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.
Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem.
A paixão que devia ser desmedida é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade ficam "praticamente" apaixonadas.
Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões , farto de conveniências de serviço.
Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas e cantina, malta do "tá bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas, já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor,a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo? O amor é uma coisa a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que
refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental".
Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso.
Odeio os novos casalinhos. Por onde que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.
O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. o amor é um estado de quem se sente. o amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita não faz mal. Que se invente e minta e sonho o que quiser. O amor é uma coisa a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.
Não é para perceber. é sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder.
Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também"
Miguel Esteves Cardoso - Elogio do Amor
Bom fim-de-semana!
P.S. Eu só queria apanhar um comboio !... Tradução cadê?


| |  (0) das outras tribos




« As Tribos »

A Inzibidinha (reborn)
Abrupto
Afrodite
Avatares Desejo
Bosque da Robina
Caderno da Corda
Cinco Dias
Canto do Melro
E-konoklasta
Estado Civil
Finúrias e Teixirinha
Geração Rasca
Hammer
História d'uma vida
Hoje há conquilhas
Introvertido
Just Music and Words
Lembranças
Macroscopio
Mafia da Cova
Malhas
O Jumento
Observador
Ondas
Outsider
Peciscas
A Quinta
Rui Tavares
Prof.Teresa
Violino Meu



« As Tribos Perdidas»

Barnabé
Enigmódromo
Estaleiro
Farol das Artes
Hepatite C
Lisboa em Fotos
Mal o Menos
Psicólogo Neurótico
Teacher
Titas
Tugir
O Velho de Alfama


« Rede Boa »

Google
Dwelling
Instituto Camões
José Luís Peixoto
MuseusPT
Arqueologia
Sanzalangola


« Ecos anteriores »


Fevereiro 2004Março 2004Abril 2004Maio 2004Junho 2004Julho 2004Agosto 2004Setembro 2004Outubro 2004Novembro 2004Dezembro 2004Janeiro 2005Fevereiro 2005Março 2005Abril 2005Maio 2005Junho 2005Julho 2005Agosto 2005Setembro 2005Outubro 2005Novembro 2005Dezembro 2005Janeiro 2006Fevereiro 2006Março 2006Abril 2006Maio 2006Junho 2006Julho 2006Agosto 2006Setembro 2006Outubro 2006Novembro 2006Dezembro 2006Janeiro 2007Fevereiro 2007Março 2007Abril 2007Maio 2007Junho 2007Julho 2007Setembro 2007Outubro 2007Novembro 2007Dezembro 2007Janeiro 2008Fevereiro 2008Março 2008Abril 2008Maio 2008Junho 2008Agosto 2008Setembro 2008Outubro 2008Novembro 2008Dezembro 2008Janeiro 2009Março 2009Maio 2009Julho 2009Agosto 2009Setembro 2009Outubro 2009Dezembro 2009Março 2010Junho 2011Junho 2012





« Correio »

o.grande.chefe@gmail.com
« Reservas »

This page is powered by Blogger. Isn't yours?
Add to Technorati Favorites