<$BlogRSDUrl$> /* ----------------------------------------------- Template Design Nome: Grande Chefe Designer: Guilherme ----------------------------------------------- */ Lembranças dos Guerreiros bgcolor="#FEEDDF">

2004/09/28

Parabéns Mafalda... 




O criador da Mafalda, Quino, (Joaquín Salvador Lavado), nasceu dia 17 de julho de 1932 na cidade de Mendoza (Argentina). Recebeu este apelido em pequeno, por forma a distingui-lo do seu tio Joaquín Tejón, pintor e desenhista publicitário com quem aos 3 anos descobriu sua vocação.
Depois de ter passado pela Escola de Belas Artes, em 1954, vai para Buenos Aires, onde deambula pelas redacções de todos os jornais e revistas à procura de emprego. A revista “Esto Es” publica a sua primeira página de humor gráfico.
Em 1963 lança seu primeiro livro de humor, Mundo Quino, um apanhado de desenhos de humor gráfico. Neste mesmo ano, a agência de publicidade Agens encomendou a Quino um trabalho. Queriam uma tira cómica para inserir como publicidade oculta num jornal diário, para promover uma linha de electrodomésticos. Seria uma história com uma típica família da classe média, com crianças. Os electrodomésticos seriam lançados com o nome Mansfield, pelo que Quino resolveu baptizar a criancinha da tira com um nome começado por M., do romance “Dar la Cara”, de David Viñas, retirou o nome Mafalda.
A primeira tira foi publicada no semanário “Primera Plana” em 29 de Setembro de 1964, tornando-se parte integrante deste até 9 de Março de 1965. É neste período que surge o Filipe. Ainda em Março de 1965, Mafalda passa para o jornal “El Mundo”. O novo jornal, é diário, o que provoca alterações substanciais em relação ao anterior. A obrigatoriedade de publicar uma tira por dia, faz alargar o número de personagens: em 1965, surgem Manelinho e Susaninha. Em 1966, aparece Miguelito. Em 1967, anuncia-se o nascimento do irmão de Mafalda, mas o "El Mundo" cessa publicação em Dezembro daquele ano. É também em 1966 que aparece a primeira edição em álbum de Mafalda, que esgota numa dúzia de dias. A nova casa da série será no semanário "Siete Días", numa página semanal com quatro tiras, a partir de Junho de 1968. É aí que nasce Gui, (finalmente nasce o Guilherme da história) o irmão de Mafalda, e, em 1970, Liberdade.
É Umberto Eco que faz a apresentação, em Itália, de “Mafalda la Contestataria” publicado em 1969.
A partir de 1970, torna-se cidadã do mundo, com as edições espanholas, portuguesas, francesas, suecas, alemâs e finlandesas.
As respostas “inocentes” da Mafalda à sociedade em que vive, inocentadas pela sua tenra idade, são as sentidas pelos que viveram a juventude nas décadas de 60 e 70.
Em Julho de 1973, no auge do sucesso da série, Quino, receando repetir-se, entrega definitivamente Mafalda ao Mundo. No entanto, as publicações continuam a vender-se por todo o planeta e por mais que leia e releia os seus livros, nunca encontro uma Mafalda repetitiva.
Amanhã será o 40º aniversário da primeira publicação. Hoje faz 40 anos que o punho de Quino deu os últimos retoques para MAFALDA aparecer, desconcertante aos olhos do MUNDO!

OBRIGADO QUINO! PARABÉNS MAFALDA!

P.S. Será que a Mafalda está a ler o "Público"?


| |  (0) das outras tribos

2004/09/27

In Memoriam 




Foto de: Hélder António

"(...)
Se eu morrer muito novo, oiçam isto:
Nunca fui senão uma criança que brincava.
Fui gentio como o sol e a água,
De uma religião universal que só os homens não têm.
Fui feliz porque não pedi cousa nenhuma,
Nem procurei achar nada,
Nem achei que houvesse mais explicação
Que a palavra explicação não ter sentido nenhum.
Não desejei senão estar ao sol ou à chuva -
Ao sol quando havia sol
E à chuva quando estava chovendo
(E nunca a outra cousa),
Sentir calor e frio e vento,
E não ir mais longe.
Uma vez amei, julguei que me amariam,
Mas não fui amado.
Não fui amado pela única grande razão -
Porque não tinha que ser.
Consolei-me voltando ao sol e a chuva,
E sentando-me outra vez a porta de casa.
Os campos, afinal, não são tão verdes para os que são amados
Como para os que o não são.
Sentir é estar distraído. "

"Alberto Caeiro"


| |  (0) das outras tribos

2004/09/25

Dói... 



Algo se parte na alma quando se vai um amigo!
Hoje o meu amigo de adolescência, Rui, cansado de lutar contra o vírus ... Aos 41 anos... Partiu!
Foi hà uns 10 anos, que ele me apareceu à porta vindo do centro de tratamento, onde tinha feito uma desintoxicação. Lembro-me da alegria que senti, ao reencontrá-lo na sua irreverência com um humor que parecia nada abater, nem mesmo a notícia que me trazia... “Tenho o bicho! Imagina qu’o cabrão m’agarrou... julgava que me lixava, mas dei-lhe a volta e disse, podes matar-me, vai custar-te porque me vais apanhar limpo e um Rui limpo vale por bué!... Se souberes dum empregozito aqui pró teu amigo...
Acho que só hoje o levei a sério, apesar do percurso de sofrimento que culminou com a despedida de hoje, o bicho “AIDS” conseguiu esgotá-lo, mas não o venceu...
Até já amigão, fica esta saudade infinda e a imagem dessa força indescritível de quem amava a vida, apesar dos caminhos dolorosos e difíceis que percorreste.
Estas lágrimas são pelas frases não ditas, pelos abraços perdidos, por tudo que perdemos...
Inté!


| |  (0) das outras tribos

2004/09/22

Love?! O Quê?! 



Quando precisávamos de mais do que 24 horas por dia para conseguir pôr em ordem o trabalho, urgente, colocado na secretária mais o que vai chegando via mail, surge uma mensagem como esta :
O QUE É O AMOR?
Esta foi a pergunta feita à um grupo de crianças dos 4 aos 9 anos, durante uma pesquisa feita por profissionais de educação e psicologia. Divirta-se com as respostas!

"Quando minha avó ficou com artrite, e deixou de poder dobrar-se para pintar as unhas dos pés, o meu avô passou a pintar as unhas dela, apesar de ele também ter muita artrite." Rebecca, 8 anos.

"Amor é quando uma menina põe perfume e o menino põe loção pós-barba, depois saem juntos e se cheiram um ao outro." Karl, 5 anos.

"Eu sei que minha irmã mais velha me ama porque ela dá-me todas as roupas velhas e tem que sair para comprar outras." Lauren, 4 anos.

"Amor é como uma velhinha e um velhinho que ainda são muito amigos, apesar de se conhecerem há muito tempo." Tommy, 6 anos

"Quando alguém te ama, a forma de dizer o teu nome é diferente..." Billy, 4 anos.

"Amor é quando tu sais para comer e ofereces as tuas batatinhas fritas sem esperar que a outra pessoa te ofereça as batatinhas dela." Chrissy, 6 anos.

"Quando amas alguém, os teus olhos sobem e descem, e pequenas estrelas saem de ti!" Karen, 7 anos.

"Amor é quando o teu cão te lambe a cara, mesmo depois de o teres deixado sózinho o dia inteiro." Mary Ann , 4 anos.

Será que vale a pena trabalhar tanto, comprometendo momentos como este?
É... o final do mês está à porta... “corro o risco de ficar como as pessoas grandes(...)”!

Foto de : José Esteves



| |  (0) das outras tribos

2004/09/20

História... 



Em 19 de Setembro do ano de Cristo 1571, foi entregue a Paulo Dias de Novais a carta de doação da capitania de Ngola, que dará origem, 5 anos mais tarde, à fundação da cidade de São Paulo de Luanda.

... das saudades!



| |  (0) das outras tribos

2004/09/17

Paralímpicos 




Começa hoje mais uma lição de vida, vamos estar atentos, com eles aprende-se!
Obrigado, a todos os atletas, o vocabulário é curto e vazio perante tanto querer.
Força! Essa, ninguém pode parar!


| |  (0) das outras tribos

2004/09/16

Revolta! 



A Tribo até estava preparada para um esforço na campanha da produção, que o ministro Bagão, qual Scolari intentou frente às câmaras de televisão. Mas, tal como o sargentão, o último Félix resolveu afastar não o Baía, mas o Mira, não da selecção mas da Caixa Geral de Depósitos, com uma diferença o político indemniza, e de que maneira, 18.000 euros mensais de reforma, dezoito mil euros... #%!&«# (expressão censurada pelo grande chefe) !
Propomos então uma prestação mensal igual aquela para cada um dos membros produtivos aqui da tribo. Até lá estamos em greve!!!


| |  (0) das outras tribos

2004/09/15

Lembrar Lisboa 





Em Lisboa é que nascem as gaivotas.
Que pena, meu amor, o mar não ser
um copo de água pura. De água para
a sede que em Lisboa eu vi nascer.

Em Lisboa. Capital do vento sul.
Coração do meu povo. A doer tanto
que a dor se tornou cor. E é azul
como a ganga dos homens do meu canto.

Em Lisboa a gente morre sem idade.
Devagar. Como se faz uma canção.
E há um pássaro que voa. É a saudade.
E uma janela aberta. O coração
.
Joaquim Pessoa - "Primeira Canção em Lisboa"

Agora com nova morada, esta é a imagem das minhas manhãs! Cidade adoptada por este cidadão do mundo, quase faz esquecer a origem, lá longe em planaltos do sul, as semelhanças ficam na protecção dos braços de um Cristo-Rei.
A luz desta Lisboa, apesar dos erros frutos da incompetência e ignorância de quem a tenta gerir, mantem-na entre uma das cidades mais bonitas do mundo.



| |  (0) das outras tribos



Foto de: Miguel Oliveira
Na caixa do correio do grande chefe caiu esta mensagem. A guerra de frases em t-shirts (camisetas) de alunos de universidades do outro lado do Atlântico, é o assunto. Vale pela imaginação, à qual não resisti e aqui está, recorrendo ao dito, "tristezas não pagam..."

Tudo começou quando...
A turma de Direito resolveu transformar uma célebre frase em camiseta e ela virou moda no Campus:
"Seu namorado não faz Direito? Vem cá que eu faço".
Em seguida, o pessoal de Medicina largou a seguinte:
"Ele pode até fazer Direito, mas ninguém conhece seu corpo melhor que eu."
O pessoal de Administração não deixou para menos:
"Não adianta conhecer o corpo, fazer Direito se não souber Administrar o que tem"
O pessoal de Administração ficou bem na fita até que a turma de Agronomia apareceu com a seguinte frase:
"Uns conhecem bem, outros fazem direito, e alguns sabem administrar o que tem, mas plantar a mandioca como nós ninguém consegue!"
Aí o pessoal da Publicidade largou esta:
"De que adianta conhecer bem, fazer direito, saber administrar e plantar a mandioca, se depois não puder contar pra todo mundo?"
A turma da Engenharia, não se deu por achada, e saiu-se com esta:
"De que adianta conhecer bem, fazer direito, saber administrar, plantar a mandioca, e poder contar pra todo mundo, se não tiver energia e potência para fazer várias vezes?"
Mas,a frase que ficou e se tornou c ampeã, ERA a da Economia :
"De que adianta conhecer bem, fazer direito, saber administrar, plantar a mandioca, poder contar pra todo mundo, ter energia e potência para fazer varias vezes, se mulher gosta mesmo é de dinheiro?"
Ninguém discutiu por um tempo, até que, as MENINAS do Curso de NUTRIÇÃO se saíram MUITO BEM com esta:
"De que adianta conhecer bem, fazer Direito, saber Administrar, Plantar a mandioca, poder Contar pra todo mundo, Ter energia e potência para fazer várias vezes e, Ter dinheiro...Se, no final das contas... A GENTE sempre precisa ensinar a comer ?!"



| |  (0) das outras tribos

2004/09/14

Cansados... 



Muito cansados da demagogia de políticos empoeirados com linguagem paternalista, que com complexos de tempestade no deserto, tentam atirar-nos areia para os olhos. Cansados de promessas de melhoria no serviço público, ouvimos mais uma vez falar nas avaliações dos funcionários públicos. Deixamos, apenas 7 questões:
1) Quem avalia?
2) Os dirigentes existentes na função pública, já são todos nomeados por concurso?
3) Os funcionários podem / devem ser avaliados por dirigentes eleitos, não submetidos a qualquer espécie de concurso?
4) Que formas de avaliação vão ser usadas?
5) O mérito é em função do partido do governo?
6) Serão feitas provas, por forma a apreciar os conhecimentos dentro das funções desempenhadas? Ou será a capacidade de trabalhar horizontalmente, ou de possuir uma boa técnica de polimento?
7) Dada a existência de um número excedentário de funcionários, causadores de uma despesa pública incomportável, compromete-se o governo em dispensar os milhares de prestadores de serviços, (recibos verdes) trazidos, não abrindo os concursos que tem preparados?
Quando se pretende modificar uma estrutura, manda o bom senso, que se comece por cima, senão corremos o risco da derrocada, e pelos exemplos deixados pelos senhores no poder, construção de raiz, não é ponto forte! Já obras sem fim à vista...


| |  (0) das outras tribos

2004/09/13

Saudades... 




Foto de: João Quintela

Não falei contigo
com medo que os montes e vales que me achas
caíssem a teus pés...
Acredito e entendo
que a estabilidade lógica
de quem não quer explodir
faça bem ao escudo que és...

Saudade é o ar
que vou sugando e aceitando
como fruto de Verão
nos jardins do teu beijo...

Mas sinto que sabes que sentes também
que num dia maior serás trapézio sem rede
a pairar sobre o mundo
e tudo o que vejo...
Toranja - Carta

Nostalgias tipícas do fim-de-semana...

A.Q.E.: Estamos ansiosamente, a aguardar a comunicação do ministro das finanças às famílias portuguesas. Os guerreiros avisam se for p'ra trabalhar mais, oferecemo-nos para os 30 cargos abandonados por "aquele" ministro aquando do seu ingresso no elenco governativo. Dividido aqui pela tribo, de certeza que damos conta do recado... Tudo pelo aumento da produtividade!


| |  (0) das outras tribos

2004/09/10

Verdades... 



Os Trabalhadores, jogam futebol.
- Os Directores jogam ténis.
- Os Administradores jogam golfe.
Donde se conclui que:
- Quanto mais se sobe na hierarquia, mais pequenas são as bolas...


Eu só sei que jogo futebol...logo sou trabalhador!...


| |  (0) das outras tribos




Foto de: Z. Gego

Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.
Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.

Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas.

Vladimir Maikaovski - E então que quereis?

A.Q.E.(Antes Que Esqueça): Parabéns ao Barnabé pelo 1º aniversário!


| |  (0) das outras tribos

2004/09/08

Na pista... 



Ao seguir o botão Next Blog, encontrei burning in the summertime os comentários ficam para quem os quiser fazer.
NO COMMENTS


| |  (0) das outras tribos



Imaginem a jovem que entrou em topless (mamas ao léu em português corrente) no jogo de de futebol Letónia-Portugal, foi acusada de hooliganismo, incorrendo numa pena que vai até 2 anos de prisão.
A moça tem sido bastante maltratada nos fóruns letões, é acusada de responsabilidade na derrota da equipa da casa.
Aqui que ninguém nos ouve, adivinha-se mais uma naturalização para as hostes portuguesas, não está na nossa memória outra entrada em campo da qual resultassem 2 golos! Terá sido um por cada...
Este Scolari não para de nos surpreender...


| |  (0) das outras tribos



Vamos tomar todas as medidas para liquidar as bases terroristas em qualquer região do mundo.”
Palavras do Chefe de Estado Maior Russo! Seguindo a melhor tradição democrata.
Será que o genocídio Sudanês está incluído?
Terrorismo é só quando crianças europeias ou americanas são assassinadas!
Em África, é coisa de negros!


| |  (0) das outras tribos

2004/09/07

Silêncio... 




Foto de: Sílvia Antunes
In Europe and America, there's a growing feeling of hysteria
There is no monopoly of common sense
There's no such thing as a winnable war
It's a lie we don't believe anymore
We share the same biology
What might save us me and you
Is that the RUSSIANS love their CHILDREN too

(excertos de "Russians" de Sting)

Aos poucos vamos conseguindo sair deste estertor...


| |  (0) das outras tribos

2004/09/01

Confidências... 




Foto de : António Ramos

Ontem, fui vítima de uma confidência.
O Diogo e Telma, de mão dada ao portão de sua casa e confiando na experiência de vida, que o ensinou em quem confiar, dada pelos seus 3 anos, disse-me: “Ela é a minha namoada!” confidência que ela nos seus 70 centimetros de altura, aprovou colocando-se na pontinha dos pés e carinhosamente pousando os lábios sobre a bochecha do seu amor. Enlevado pelo toque ele abraçou-a, ternamente.
Sorrindo, sem palavras para agradecer a confiança depositada, tento guardar todos os pormenores daquela imagem, às vezes precisamos de algo, que nos lembre de onde viemos, para não perdermos aqueles trilhos traçados no início desta viagem.


| |  (0) das outras tribos




« As Tribos »

A Inzibidinha (reborn)
Abrupto
Afrodite
Avatares Desejo
Bosque da Robina
Caderno da Corda
Cinco Dias
Canto do Melro
E-konoklasta
Estado Civil
Finúrias e Teixirinha
Geração Rasca
Hammer
História d'uma vida
Hoje há conquilhas
Introvertido
Just Music and Words
Lembranças
Macroscopio
Mafia da Cova
Malhas
O Jumento
Observador
Ondas
Outsider
Peciscas
A Quinta
Rui Tavares
Prof.Teresa
Violino Meu



« As Tribos Perdidas»

Barnabé
Enigmódromo
Estaleiro
Farol das Artes
Hepatite C
Lisboa em Fotos
Mal o Menos
Psicólogo Neurótico
Teacher
Titas
Tugir
O Velho de Alfama


« Rede Boa »

Google
Dwelling
Instituto Camões
José Luís Peixoto
MuseusPT
Arqueologia
Sanzalangola


« Ecos anteriores »


Fevereiro 2004Março 2004Abril 2004Maio 2004Junho 2004Julho 2004Agosto 2004Setembro 2004Outubro 2004Novembro 2004Dezembro 2004Janeiro 2005Fevereiro 2005Março 2005Abril 2005Maio 2005Junho 2005Julho 2005Agosto 2005Setembro 2005Outubro 2005Novembro 2005Dezembro 2005Janeiro 2006Fevereiro 2006Março 2006Abril 2006Maio 2006Junho 2006Julho 2006Agosto 2006Setembro 2006Outubro 2006Novembro 2006Dezembro 2006Janeiro 2007Fevereiro 2007Março 2007Abril 2007Maio 2007Junho 2007Julho 2007Setembro 2007Outubro 2007Novembro 2007Dezembro 2007Janeiro 2008Fevereiro 2008Março 2008Abril 2008Maio 2008Junho 2008Agosto 2008Setembro 2008Outubro 2008Novembro 2008Dezembro 2008Janeiro 2009Março 2009Maio 2009Julho 2009Agosto 2009Setembro 2009Outubro 2009Dezembro 2009Março 2010Junho 2011Junho 2012





« Correio »

o.grande.chefe@gmail.com
« Reservas »

This page is powered by Blogger. Isn't yours?
Add to Technorati Favorites